Hyldon

Zondag in Amsterdam

Morre Gerson King Combo, estrela da soul music brasileira | O Globo Cultura

 

Os músico José Carlos de Sousa Dafé, conhecido como Carlos Dafé, Gérson Rodrigues Côrtes, conhecido como Gerson ‘King’ Combo ou Gerson Combo, e Hyldon de Souza Silva posam para fotos nos Arcos da Lapa, Rio de Janeiro. Foto de setembro de 2003 — Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo/Arquivo

RIO – O cantor Gerson King Combo, considerado por muitos o Rei do Soul Brasileiro, morreu na noite desta terça-feira (22/09), no PAM de Irajá, no Rio de Janeiro, aos 76 anos. O falecimento se deu em decorrência de infecção generalizada e de complicações da diabetes após súbita internação. No fim de semana, ele iria participar de sua primeira live, no Caxias Music Festival, mas cancelou a participação por causa dos problemas com a saúde. Ainda não informações sobre velório ou sepultamento.

Astro dos bailes de subúrbio, o James Brown brasileiro, que nos anos 1970 andava cercado de seis seguranças e que, como lembrou ao GLOBO em 2013, “pagava oitocentos merréis” só para um funcionário pousar e tirar sua capa dos ombros, o cantor gravou dois LPs com seu nome, em 1977 e 78. Os discos viraram clássicos do funk brasileiro, graças a músicas como “Mandamentos black”, “Andando nos trilhos” e “God save the King”.

Depois de um período de ostracismo, em que se afastou da música, em 1998, ele foi encontrado pelo DJ Zé Octávio, da festa Copaphonic, que aos poucos o convenceu a voltar à cena. De show em show, Gerson recuperou o cetro e gravou o primeiro álbum de inéditas em 23 anos, “Mensageiro da paz” (2001).

Em 2009, lançou mais um álbum, “Soul da paz”, acompanhado pelo Supergroove, que se tornou a sua banda fixa.No Carnaval do Rio de Janeiro de 2013, ele desfilou no sétimo carro da Portela, ao lado de outros expoentes da cultura black carioca como os cantores Hyldon e Carlos Dafé e o DJ Corello. No mesmo ano, Gerson foi alvo de uma campanha de financiamento coletivo no site Catarse, para gravar um DVD em homenagem a seus 70 anos.

Fonte: O Globo Cultura

   

Voltar